27/06/2008

David no Paquistão

Não tem havido muitas notícias das aventuras do David, o Vaz em terras paquistanesas, junto do grande João Garcia.

Sabemos apenas que estão algures entre Skardu e Askole, sentados num 4x4, debaixo de uns implacáveis 40ºC.


Por mais dura que possa ser a viagem o entusiasmo, o cumprir do sonho e a paisagem são o melhor analgésico.

Esquema simplificado do caminho retirado do Google-Earth:


Parto já amanhã para os Alpes e já sinto o nervoso miudinho... Gostos não se discutem e eu gosto muito de montanhas!

Num post de 2006 sobre o percurso do Carros de Foc, que fiz, com o David e mais dois ilustres personagens escrevi:

"Cada passo é uma conquista egoísta e não escondo o sentimento de superioridade em relação a quem desiste mais cedo. No fim sentimo-nos maiores a outros Homens sem termos conquistado mais nada para além de dores nas pernas. Não se explica, não se ensina e não se aprende. Ou se gosta ou não!




26/06/2008

Monte Branco - 4808 m



É já em Julho que vou tentar subir ao cume mais alto dos Alpes (ou da Europa política).
Passem por cá que pode haver novidades...

As imagens também andam por aqui.


Desejem-me sorte!

25/06/2008

Broad Peak - 8047 m

João Garcia saiu ontem de Lisboa rumo a Islamabad para integrar mais uma expedição a um 8000 m inserida no projecto Millenium BCP da conquista dos 14 cumes com mais de 8000 m na terra.



Com ele vai o emplastro do David a quem, confesso, invejo todos os dias e desejo a maior das sortes. Ele não vai subir, fica-se pelo Campo Base que já é aventura que chegue para um comum mortal mas vai de certeza sonhar com vôos mais altos e trazer na memória imagens que não se esquecem.

Boa sorte aos dois (principalmente ao João) porque sorte já o David teve. Dia 17 de Junho cá estaremos à espera da sua versão.

Podem acompanhar aqui o blog oficial da expedição (que ainda não funciona mas esperemos que o actualizem em breve).

Semana de azar...

Já vem algo tardia mas só agora tive algum tempo para relatar a última aventura por terras espanholas.

Na semana dos feriados, 10 e 13 de Junho, aproveitámos a semana curta para dar um pulinho à Sierra de Gredos e desta vez em família.

A ideia era irmos os três até ao Camping de Gredos e esperar lá pelos avós paternos do Gaspar para fazermos umas passeatas pelos montes quando a locomotiva que puxava o comboio (carro + caravana) deu o berro.

Estávamos à entrada de Cáceres quando o carro começou a perder força e a deitar fumo, sábado, dia 7 de Junho à tarde. Por sorte foi em frente da oficina da Peugeot.

Chamámos a assistência em viagem e tivemos que esperar por 2ª feira que a oficina abrisse.

O diagnóstico foi que se tinha partido o turbo do motor mas que com a greve dos camionistas não havia peças e havia que esperar.

Passou o 8 de Junho e visitámos Cáceres, o 9 de Junho e visitámos Cáceres, o 10 de junho (dia da raça de acordo com o nosso ilustre presidente) e visitámos Cáceres, o 11 de Junho e fomos a Merida mas não visitámos nada. Não sei que raio de ideia é esta de os espanhois fecharem tudo, mas literalmente tudo, das 13h às 18h.

Chegámos a Merida, já com os Silvas seniores a conduzirem-nos, às 12:30. Como o gaiato tinha fome almoçámos cedo e quando quisemos visitar o teatro romano: kaput! Cerrado hasta las 18h.

Raios partam os camionistas, os horários, os calamares, as tortilhas, as patatas refugadas e mais o que houver nesta terra maluca. Vamos embora daqui!

Voltámos à pressa, ainda no dia 11, para Lisboa. Deixámos lá o carro e a caravana na esperança que o 13 de Junho, sexta-feira, dia em que comemorámos 7 anos de casados nos trouxesse algo de bom.

Na sexta feira 13, deixámos o "crio" com a Tia e fomos à praia da ursa para matar saudades. Estava um calor infernal em Lisboa mas em Sintra só faltava chover. Nem se via o mar de tanto nevoeiro... e frio.

Se não fossem as melhores batatas fritas do mundo e o dia tinha sido mesmo de azar. Mas com a barriga cheia tudo passou.

E até voltámos (às batatas fritas) no fim de semana passado.

No dia 14 lá fui buscar o carro e a caravana a Cáceres e, depois de pagar 1100€ pelo arranjo, saí rumo a Lisboa. Com as pressas deixei uma janela da caravana destrancada e quando cheguei a Lisboa já lá nao estava. Mais 180€ que é para aprenderes!

Agora resta-nos respirar fundo, aprender com os erros e esperar que a viagem aos Alpes, que está para breve, corra bem melhor.

Passem por cá que hão-de aparecer novidades... e imagens.

02/06/2008

Eco-lógico

No infantário onde anda o Gaspar a educação ambiental, para além do resto é uma tónica constante. De tal modo que são promovidos, com frequência, encontros com os pais de modo a que a educação não seja só para os filhos.

A última vez que nos encontrámos por lá o tema foi o ambiente. Entre vários exercícios ficaram dois trabalhos para casa muito interessantes que consistiram numa auditoria ambiental à nossa própria casa (com a ajuda de um inquérito da Proteste) e num exercício pessoal. Este exercício pessoal consiste na tarefa simples de, até ao próximo encontro que se realizará dentro de um mês, todos mudarem dois hábitos, do ponto de vista ambiental.

Aqui ficam alguns hábitos que têm mudado lá por casa e que, por pouco significado que tenham, já ajudam:

- deixámos de utilizar elevadores;
- enquanto esperamos que a água quente chegue à torneira da banheira enchemos um balde que utilizamos na rega das plantas ou na sanita;
- mudámos as lâmpadas que estão mais tempo acesas para baixo consumo;
- vamos às compras com os nossos próprios sacos;
- instalámos extensões com interruptores para desligar o stand-by de tudo o que é aparelho eléctrico;
- não pomos a fruta e legumes em sacos de plástico. As etiquetas do peso são coladas directamente na peça de fruta (claro que isto não funciona com morangos, cerejas e frutos do género);
- damos preferência na compra de produtos nacionais e de agricultura biológica;
- não vemos a TVI (por uma questão de principio) há mais de um ano.